Saiba como colocar palavras chaves na hora de redigir o seu currículo

A primeira impressão é o que fica. E a frase vale também para o seu currículo, sabia? Em um mercado trabalho cada vez mais competitivo, os recrutadores são as primeiras pessoas que devemos impressionar.E a linguagem e o conteúdo do seu CV são fundamentais, e, definitivamente, se não souber escrevê-lo de forma atrativa, ele poderá limitar você de conseguir o emprego tão sonhado.

Preencher seu currículo com palavras ultrapassadas, linguagem pobre e/ou apelativa, pode impactar negativamente as suas chances de emplacar um entrevista de seleção.

Vamos lá. Separei algumas palavras que definitivamente devem passar longe do seu currículo. Anota ai:

– Desempregado: as datas das suas experiências profissionais já deixam claro se você está empregado ou não – você não precisa destacar isso, certo?

Trabalhador e/ou pontual: um recrutador já espera, no mínimo, eu seu candidato seja um profissional pontual que cumpra sua jornada de trabalho. Então, você não precisa necessariamente usar esses adjetivos como características únicas e inovadoras.

– Digitação e pacote office: essas não são habilidades estratégicas. Emprenhe-se em destacar suas habilidades diferenciadas. Algo que realmente mereça atenção.

 – Objetivo profissional: as suas experiências são consistentes? Então é provável que você não precise especificar o seu objetivo profissional.  Além disso, se você for enviar o seu currículo junto com uma carta de apresentação falando sobre o seu objetivo, já é mais do que suficiente para abordar o assunto.

– Eu, ela, ele: falar na primeira ou terceira pessoa soa estranho e pode dar a impressão de que alguém escreveu o seu currículo para você. Por exemplo, o correto seria “4 anos de experiência em liderança” e não “eu liderei um time por 4 anos” ou “João liderou um time”. Esse detalhe pode parecer irrelevante, mas ele faz toda a diferença na hora da leitura dinâmica.

– Expert ou especialista: são palavras que não devem ser usadas, a não ser que você realmente seja um expert ou especialista de área. Se for esse o seu caso, esteja preparado para ser abordado com perguntas mais complexas nas entrevistas de emprego.

Dica de ouro da Karla:

O VAGAS.com tem uma página recheada de palavras chaves para você deixar seu currículo e LinkedIn a ponto de bala! Deixo aqui o caminho para você buscar palavras chaves para elaborar um ótimo currículo: https://www.vagas.com.br/mapa-de-carreiras/

Dica Bônus

A maioria das pessoas foca demais nas funções para garantir que as palavras-chave estejam no currículo, que acaba falhando ao divulgar suas melhores habilidades e conquistas de carreira. A solução efetiva a se fazer é separar as habilidades por seção e focar na sua experiência profissional com base em resultados, grandes contribuições e projetos-chave nos quais você trabalhou em várias empresas.

Você sabe o que é staff loan: empréstimo de mão de obra técnica?

Hoje vou falar sobre um assunto ainda pouco disseminado pelo mercado. Muitos nunca nem ouviram falar, o Staff Loan: empréstimo de mão de obra técnica.

Karla, o que é isso? Vou explicar!

Staff Loan é um novo conceito de trabalho temporário, em que as empresas fazem o empréstimo de profissionais de outras organizações, conforme a necessidade. Podemos dizer que o staff loan está para o mundo corporativo como o trabalho em rede distribuída está para os empreendedores e autônomos.

Atualmente é mais comum vermos o método sendo aplicado quando a organização está trabalhando em um projeto com uma demanda bastante específica. Mas a tendência é que isso se aplique cada vez mais em todas as áreas das organizações.

Afinal, o que é staff loan? – é uma técnica de recrutamento temporário e especializado, em que empresas que têm o quadro de colaboradores experientes e altamente qualificados emprestam esses profissionais para fornecer a outras organizações mão de obra para demandas como:

  • auditoria interna e compliance;
  • cobertura de férias, licença de saúde ou de maternidade;
  • conciliação e cadastro;
  • novas atividades, entre outros desafios profissionais.

Os benefícios:

A experiência é bastante positiva para engrossar o currículo, adquirindo experiência e aumentando o networking. Nesse sentido, o staff loan contribui exatamente para que os profissionais possam ter mais experiência, expandir sua rede de contatos e ter mais motivação para trabalhar.

Os benefícios são uma via de mão dupla: as empresas também ganham com isso da seguinte forma:

  • aumentando a mão de obra qualificada;
  • garantindo contratações e substituições no quadro de colaboradores com mais agilidade e menos burocracia;
  • otimizando recursos financeiros e de tempo com a administração dos profissionais;
  • reduzindo os riscos de sofrer algum passivo trabalhista, afinal, a legislação para contratação temporária é relativamente nova e pode trazer várias dúvidas para os gestores.

O principal objetivo do staff loan é gerar valor aos processos organizacionais, com talentos experientes e altamente qualificados. Somos todos valiosos e merecemos ser recompensados por isso. Abrace essa ideia!

Empatia no ambiente de trabalho: você tem?

Você sabe o que é empatia? Muito se fala sobre essa habilidade comportamental, mas muitas pessoas não sabem o que, de fato, ela representa e como ela é importante no ambiente de trabalho.

Afinal, o que é? É bem simples. Podemos definir empatia como a habilidade de compreender outras pessoas. Uma pessoa empática consegue lidar melhor em qualquer situação, porque tem a capacidade de se colocar no lugar do outro e entender o seu ponto de vista, mesmo que não concorde com ele.

No meio corporativo, exercer a empatia é uma forma de lidar com colaboradores e superiores tendo uma conexão verdadeira e eliminando conflitos. Ao contrário do que muitos pensam, a empatia não tem nada a ver com a servidão, com a falta de opinião ou controle sobre situações.

Ser empático não significa concordar com tudo, aceitar tudo e ser refém de outras pessoas. Uma pessoa empática consegue entender e respeitar os pontos de vista dos outros para expor as suas opiniões.

No ambiente de trabalho, estamos lidando com pessoas com as quais não convivemos o tempo todo e que, na maioria das vezes, não temos e nem criaremos nenhum laço afetivo, porém isso não diminui a importância destas pessoas em nossas vidas.

“A empatia no meio corporativo é essencial para relações de trabalho saudáveis e a possibilidade de melhores resultados para uma empresa”.

O autor Daniel Goleman (principal referência sobre Inteligência Emocional) identificou três tipos distintos de empatia e que valem a pena você conhecer:

Empatia Cognitiva: habilidade de entender o ponto de vista da outra pessoa.

Empatia Emocional: habilidade de sentir o que o outro sente.

Preocupação Empática: capacidade de sentir o que o outro precisa de você.

O que significa? A empatia emocional e a preocupação empática dependem de conexão emocional. Por isso, demandam um exercício contínuo para serem aplicadas na prática. Já a empatia cognitiva é uma habilidade básica que, com um pouco de reflexão e abertura, pode ser incorporada ao dia a dia de qualquer profissional.

Como ser uma pessoa empática?

Uma pessoa empática geralmente possui algumas características que permitem o desenvolvimento dessa habilidade, como por exemplo:

  • Tem vontade de ajudar os outros;
  • É bastante carinhosa e sensível com outras pessoas;
  • Buscar respeitar outros pontos de vista;
  • Não costuma julgar outras pessoas.

Se reconheceu em alguma dessas características? Lembre-se: A empatia é uma habilidade comportamental que pode ser desenvolvida. Bora praticar?