Trabalho freelancer, por que não?

Embora a modalidade freelancer exista desde sempre (em termos históricos, a novidade foram as leis trabalhistas, todas do século 20), só agora alguns tabus foram forçadamente revistos e deslancharam a opção no mercado. Impulsionados pela crise causada pela pandemia, onde muitos perderam seus empregos, o trabalho freelancer ganhou força e vem crescendo.

Com a pandemia e o isolamento social, dúvidas sobre home office e gestão à distância foram respondidas. O trabalho autônomo ganhou mais visibilidade, inclusive como opção de carreira.

E claro, que os trabalhos freelancers se tornaram mais do que uma alternativa cada vez mais procurada por profissionais que querem aumentar a renda, desfrutar de horários flexíveis ou desenvolver um plano B para a carreira – além, é claro, daqueles que são lançados à vida de autônomo não por escolha, mas por terem ficado desempregados.

E se você quer ser um trabalhador freelancer de sucesso, você terá que seguir algumas “regras” básicas para empreender como freela. Vamos lá?

Faça um planejamento estratégico

Olhe sua empresa de cima para conseguir estabelecer os setores, sua atividade e como você vai dar atenção a cada uma delas e quando vai fazer isso. É a maneira como você vai administrar, o que você vai buscar e quais serão suas regras. Com isso em mente (e no papel também) você visualiza o caminho que vai seguir. 

Rotina é essencial

É preciso estabelecer horários para trabalhar, claro que com uma flexibilidade bem maior. Você é o dono do seu tempo. Entender que a rotina vai dar a liberdade necessária para criar, inovar e, até mesmo, fazer outras atividades do seu interesse, é fundamental. Descubra em qual horário você produz mais e foque nele. 

 Tenha foco

Quando você direciona a sua energia e o seu intelecto para uma determinada área as chances de progredir são bem maiores. Uma dica interessante é, na hora de escolher uma área de atuação, focar e se especializar naquilo que você faz com maior desenvoltura. 

 Se informe. 

Antes de começar a trabalhar em qualquer área é preciso saber o que lhe espera. Você tem conhecimento daquilo que o mercado está precisando e que você está se propondo a ofertar?

Formalize-se

A formalização traz credibilidade. Um opção é optar pelo MEI (Microempreendedor Individual). Basta fazer um cadastro no Portal do Empreendedor do Governo Federal. Assim, você terá um CNPJ e poderá emitir nota fiscal do serviço prestado. Além disso, terá direito a benefícios previdenciários que, sem ser legalizado, não teria acesso.

 Conheça seu mercado

É fundamental estudar o mercado e ficar por dentro das necessidades do seu público-alvo. Afinal, é para ele que você vai vender o seu trabalho. Não adianta sair atirando para todos os lados, pois além de ser desgastante é ineficiente.

 Faça um planejamento financeiro

Ser o seu próprio chefe não significa que você irá ganhar dinheiro de forma instantânea. Prepare-se para os períodos de vacas magras. Como será o pagamento dos seus clientes? É preciso ter uma reserva financeira para auxiliar naqueles meses mais fraco. 

Algumas dicas práticas para você começar hoje mesmo a organizar o seu trabalho. 

 Faça uma lista das tarefas que você precisa realizar; 

  • Depois, dívida cada uma dessas atividades em pequenas partes; 
  • Por fim, inclua essas partes na sua semana até a finalização da tarefa; 
  • Estipular prazos para a execução de cada atividade também ajuda assim como acompanhar o desenvolvimento de cada pequena parte cumprida. 

Você sabe fazer networking?

 Se você respondeu sim, está de parabéns. Mas saiba que não são muitos os brasileiros que tem a resposta afirmativa. Segundo uma pesquisa realizada pelo IDCE – Instituto de Desenvolvimento de Conteúdo para Executivos – o bom relacionamento não é o forte dos brasileiros. 

 O estudo revela que a maioria das pessoas acredita que networking se define como uma boa rede de contatos, ou seja, conhecer várias pessoas e ser conhecido por elas. Mas, não é só isso. Uma boa e verdadeira rede de contatos só é válida quando as pessoas sabem o que você faz bem profissionalmente, e, o mais importante, influenciam em seu crescimento profissional.

 Listei alguns erros e acertos sobre o networking. Fique atento e reconheça os itens que você se identifica e comece a muda-los já. 

 ACERTOS: 

  • Está sempre circulando, seja em cursos, palestras, congressos. É importante frequentar ambientes que te levam ao crescimento profissional. É ali que você conhecerá outros profissionais que estão no mesmo caminho que você. 
  • Criar uma via de mão dupla. Assim como você precisa de contatos é também preciso ser o contato de alguém. Seja solicito e esteja sempre presente quando necessário. Ajudar alguém quando for solicitado é primordial. Lembre-se que o mercado é pequeno. Além disso, se encontrar com as pessoal relevantes na sua lista é importante, seja presencialmente ou via internet. 
  • Seja reconhecido na empresa. Como? Seja comunicativo e prestativo. Ajude o colega mesmo que ele for de outra área. Ser lembrado pelas boas  atitudes é uma virtude.
  • Comunique suas mudanças profissionais, principalmente através das suas redes de contato digital. É dessa maneira que dará a chance dos outros perceberem seu crescimento, produtividade e que encara nos desafios. 
  • Seja estruturado. Trilhe um caminho para sua carreira e empresa e trace sempre os caminhos que te levarão ao seu objetivo final. Tenho certeza que o networking abre muita portas. 

 ERROS: 

Ser conhecido não é ter networking – ele só vale quando as pessoas sabem no que você é bom profissionalmente; 

  • Usá-lo apenas quando precisa. O mercado muda muito rápido e é sempre bom manter-se por ali, sendo visto e lembrado, sempre deixando em evidência o que anda fazendo naquele momento da carreira;  
  • Ter contato apenas com profissionais da sua área. Conhecer pessoas de diversos segmentos e com mais experiência que você, ampliará o seu alcance e quanto mais relevância ter esse profissional mais provável que ele te indique ou contrate; 
  • Depender apenas de networking. Para ter um bom relacionamento é precisa sempre manter-se atualizado – o conhecimento técnico é importantíssimo. O mercado vai afunilando à medida em que crescemos profissionalmente e ter uma rede conectada é primordial. 

Como buscar uma boa recolocação no mercado de trabalho?

Ano novo, vida nova! A frase mais falada em todo o começo de ano parece mesmo fazer sentido. Mudança de emprego a cada dois anos, antes característica marcante apenas nos profissionais mais jovens, agora é realidade também entre os mais experientes. Foi o que uma pesquisa do Page Group mostrou em seus resultados no ano passado.

O que motiva esses profissionais a buscarem nova recolocação no mercado de trabalho? A falta de oportunidade de ascensão profissional no atual emprego é o principal fator, segundo a pesquisa.

Em outros estudos, a busca de crescimento na carreira, salário maior, melhor equilíbrio entre vida pessoal e profissional, flexibilidade de horário e localização mais fácil, também aparecem como motivos para uma busca de recolocação.

Mas, afinal, como conseguir uma boa recolocação?

Saiba seus reais motivos: É preciso entender a posição em que você está na empresa atual, seus objetivos e também o que faz com que você se sinta motivado. Também é importante, antes de decidir, analisar se as suas possibilidades de crescimento na empresa em que está já foram esgotadas.

Atenção ao mercado: o segmento que atua está prosperando ou está em crise? Ele oscila muito? É primordial você saber como andam as vagas na sua área, escassas ou abundantes?

Prepare-se para o mercado: se você quer mudar de emprego, precisa se preparar. Se o crescimento é o seu objetivo, avalie seu momento atual, trace um plano para preencher seus gaps ou para desenvolver as habilidades necessárias para o próximo passo de sua carreira.

Faça networking: uma boa rede de relacionamento nesses momentos são essenciais. Quando você tem ao seu redor pessoas que podem te ajudar a se recolocar no mercado o caminho fica mais fácil.

Esteja em movimento: entre em contato com Consultores, Headhunters e com os profissionais de Recursos Humanos das empresas que te interessam. Escreva um e-mail, ou um In-mail (mensagem do LinkedIn), personalizado, com seu currículo anexado. Mostre que está à disposição e pronto para novos desafios.