Trabalho voluntário e empregabilidade: eles não se conflitam, se complementam

O mundo está cada vez mais voltado e sensibilizado para as questões sociais, conectado com o próximo e preocupado com o futuro da humanidade. Estar em contato com uma realidade diferente da nossa nos traz também benefícios ímpares, como ampliar a visão global e encontrar inspiração para lidar com problemas pessoais. Por isso, venho aqui falar do trabalho social dentro da empregabilidade.

Atualmente, fala-se muito na falta de tempo. A falta de tempo faz com que tenhamos esgotamento físico e mental. A necessidade de ter foco e saber dividir, administrar e aproveitar o tempo é a chave para o sucesso. Qualquer experiência, seja ela pessoal ou profissional, é capaz de provocar transformações — e um trabalho voluntário pode ser o ápice entre os acontecimentos de sua vida. Desse modo, tenha em mente que essa vivência o ajudará a aperfeiçoar seus conhecimentos e até propiciar questionamentos sobre o que você espera para sua carreira.

Sabe aquele dia de domingo, sem nada para fazer, com a preguiça dominando no sofá e uma tremenda sensação de tédio? Que tal mudar esse comportamento e fazer parte do voluntariado? Quem se dedica a esse tipo de ocupação torna-se uma pessoa mais ativa. Os compromissos do trabalho voluntário vão fazer com que sua agenda não fique vazia. Você vai preencher suas horas vagas ajudando as pessoas, distraindo-se e tendo um passatempo estimulante.

Aprendendo desde cedo

Quando se busca o primeiro emprego, o trabalho social é uma grande porta para você ingressar em uma oportunidade remunerada. E o ganho maior é a conquista de experiência! Sabe por qual motivo? O ambiente corporativo acaba demandando mais de você do que a graduação ou curso técnico. E, claro, a falta de experiência no currículo é algo que pesa na busca do primeiro emprego, e diminui suas chances de ser contratado. Já imaginou poder se destacar num processo seletivo por ter ricas experiências? Então, busque o trabalho voluntário social! Ele abrirá grandes portas para seu sucesso.

Muitos são os meios para ganhar experiência em sua área de atuação durante o curso de graduação. Se você acha que o desenvolvimento de sua carreira virá somente por meio de um estágio remunerado, saiba que está muito enganado.  Ao contar com uma experiência como essa em seu currículo, você estará admitindo ao mercado que se envolve com projetos sociais e não hesitou em procurar por uma oportunidade de colocar em prática o que está aprendendo na graduação. Participar de um projeto e ter um posicionamento atuante e inovador são fatores benéficos para sua carreira.

Os recrutadores valorizam muito o voluntariado, pois o ser humano que busca oferecer seu tempo para atividades não remuneradas é um profissional solidário, e eles sabem que quem faz esse tipo de atividade está em busca de desafios e desenvolve características que são bem quistas pelas organizações. Os pontos que mais se destacam estão relacionados ao comportamento – flexibilidade e estabilidade emocional.

A experiência do trabalho voluntário, tendo a vivência das dificuldades encaradas por pessoas de culturas desiguais o ajudará a trabalhar em equipe. Fora a oportunidade que você terá de aprender a ter facilidade em lidar com pessoas.

As empresas sabem que voluntários têm mais habilidade para lidar com súbitos, conseguem ser proativos e são mais determinados. Essas qualidades enchem os olhos das empresas. Ter uma experiência de trabalho voluntário fará a diferença em um processo de seleção.

Está desempregado? Ocupe seu tempo e levante a poeira!

O profissional que já tem uma carreira sólida, porém está desempregado e sem remuneração, ao fazer o trabalho social, tem a oportunidade de aprender algo novo e se destacar na busca do emprego. As pessoas que realizam o trabalho social desenvolvem um círculo de amizades a ponto de ela ser ampliada e renovada. Sim, adquire mais afinidade com outros profissionais e potencializa o tão falado networking, aumentando suas oportunidades de conseguir um novo emprego.

Está empregado? Ainda tem um tempinho, não?

O profissional que já conquistou seu espaço no mercado de trabalho, também pode (e deve) organizar a agenda e distribuir suas horas para continuar as atividades sociais que, de certa maneira, continuarão contribuindo com o crescimento da sua carreira profissional. O trabalho remunerado requer muito tempo dedicado, pois para cumprir uma carga horária obrigatória na CLT o profissional passa 8 horas por dia, 240 horas semanais e 2.880 horas por ano trabalhando.

O trabalho voluntário pode contribuir na formação da carreira, pois além de conter as mesmas particularidades de um trabalho remunerado, pode agregar uma positiva experiência na sua trajetória profissional e pessoal.

Entre os tipos de trabalho voluntário, destaco:

· Voluntário à distância – Com o auxílio da tecnologia, você pode participar de ações sociais de forma on line, principalmente com pessoas que têm a mobilidade restrita ou com necessidades especiais.

· Cultura, Educação e Esportes – Interaja com a sociedade na busca da melhoria do ambiente social de cada indivíduo.

· Animais e Meio Ambiente – Participe de ações que promovem a melhoria do habitat dos animais e ajude na diminuição de impactos ambientais.

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Brasil possui 7,2 milhões de pessoas que fazem trabalho voluntário. Esse número corresponde à pesquisa realizada em 2018, publicada pelo suplemento “Outras Formas de Trabalho”, da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios Contínua. Em relação ao ano anterior, houve uma ligeira queda de 1,6%, após alta de 13% entre 2016 e 2017. O total de voluntários representou 4,3% da população com 14 anos ou mais. O maior número este contingente é formado por mulheres. A duração média das atividades é de 6,5 horas por semana e a maior parte dos voluntários, 48,4%, se dedica quatro ou mais vezes por semana.

Por onde começar a desenvolver um trabalho voluntário?

Pesquise por ONGs ou entidades que auxiliam pessoas carentes em sua cidade, entre em contato com elas e procure saber como se voluntariar. A ideia é buscar algo que você sinta prazer em trabalhar. O começo de tudo está em você enxergar que sua atitude pode fazer a diferença e causar impacto positivo na vida do outro, pois a escolha do voluntariado precisa vir ao encontro de seus valores pessoais, e do que você acredita que faz a diferença no mundo. É importante buscar referências em relação à reputação da instituição que você irá apoiar.

Fazer o trabalho social voluntário alivia a tensão de estresse e contribui para o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Os fatores de felicidade e bem-estar que os voluntários sentem são explicados biologicamente. Quando se dedicam a ajudar os outros, acontece a liberação de endorfina, neurotransmissor que provoca em todo o corpo a sensação de prazer. Aliás, essa energia positiva pode ser constatada no sorriso de quem faz um trabalho voluntário e de quem recebe.

Você consegue melhorar sua capacidade de escutar as dores dos outros e de se colocar no lugar de outra pessoa. O desenvolvimento pessoal será algo realmente enriquecedor durante essa experiência. Para fechar, deixo uma mensagem para que você reflita e se anime a ser voluntário, assim como eu sou. “O importante não é o que se dá, mas o amor com que se dá.” – Madre Teresa de Calcutá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *