10 dicas para um currículo perfeito

Quando estamos à procura de um novo emprego, o currículo faz toda a diferença, para o bem e para o mal. Cada vez mais chegam mais currículos nas caixas de e-mail dos recrutadores que, por sua vez, os analisam de maneira mais rápida e direta. Portanto, ao elaborar este documento, capriche e traduza o profissional excelente que você é. Trago 10 dicas que, certamente, serão úteis para que você se destaque neste mercado cada vez mais competitivo e consiga seu novo emprego.

1- Seja encontrado facilmente

Inclua todos os canais pelos quais você possa ser encontrado: telefone, e-mail e redes sociais profissionais – todos eles atualizados. Quanto mais opções de telefone, melhor: fixo, celular e de contato (indique o nome da pessoa responsável). Insira um endereço de e-mail compatível à formalidade da situação, sem expressões coloquiais ou apelidos como, por exemplo, “[email protected]…”. Esse detalhe, que certamente não passará despercebido, pode demonstrar falta de maturidade e seriedade.

2- Mentira tem perna curta

Na ânsia por conquistar um emprego, às vezes caímos na tentação de maquiar, camuflar e aumentar algumas informações. Quando isso acontece, na verdade, estamos mentindo mesmo. Se você não passa do “Hi, how are you”, de nada adianta colocar “inglês avançado”, já que essa proficiência imaginária não resistirá a dois minutos de conversação na vida real. Seja sincero e honesto, principalmente consigo mesmo, ao listar suas habilidades, responsabilidades exercidas em cargos anteriores, período de permanência no emprego, cargo que desempenhou, formação acadêmica, nome de empresas em que trabalhou e prêmios obtidos.

3. Descreva suas competências técnicas

Coloque em destaque seu objetivo profissional para que o recrutador identifique prontamente suas ambições e metas de carreira. Resuma claramente suas habilidades profissionais e os resultados obtidos em cada experiência da sua trajetória, sem autoelogios e com sinceridade na descrição das qualidades.

Inclua dados relevantes, como nome, segmento e porte da empresa. Informe o período em que você atuou, os cargos exercidos e a descrição das principais atividades. Não se esqueça de mencionar os resultados alcançados e as melhorias implementadas graças à sua atuação. Se você implantou ou participou de alguma ação que gerou redução de custos, insira também.

4- Trabalho social dentro da empregabilidade

O trabalho voluntário chama a atenção do recrutador e gera um destaque ao currículo, pois se trata de uma atividade não remunerada que exige tempo, dedicação, autonomia e proatividade do candidato. Projetos realizados durante o curso de graduação também somam pontos.

5- O segundo idioma é importante

Uma pesquisa do British Council identificou que apenas 5% dos brasileiros falam inglês e menos de 1% realmente apresenta algum grau de fluência. Este dado identifica um problema, já que a cada 10 entrevistas de emprego, 8 são realizadas em inglês. Então, se você deseja atuar em empresas multinacionais, um pré-requisito essencial é se comunicar – no mínimo – em inglês. Conforme já citado no item 2, seja honesto em relação ao seu nível e esteja ciente de que seu conhecimento poderá ser testado a qualquer momento, seja durante o processo seletivo ou após a contratação.

6- Não insira foto

Não há necessidade de utilizar fotos no currículo, a não ser que a empresa exija e seja um diferencial para a vaga.

7- Atente-se à ortografia, formatação e conteúdo

Ocurrículo é o seu cartão de visitas e, como tal, deve estar impecável. Para evitar erros de português revise seu currículo ou peça para alguém fazê-lo. Não escolha fontes muito rebuscadas que possam comprometer a legibilidade. Prefira fontes simples, como Arial, Verdana ou Times New Roman, com tamanho 12 para o conteúdo em geral, 14 para subtítulos e 18 para que seu nome tenha destaque.

Seu currículo precisa ser completo e ter ênfase no que é mais importante. Recursos como o negrito, desde que usados com moderação, podem ser utilizados no nome das empresas em que você trabalhou, por exemplo. Coloque as datas nas quais desempenhou cada função na ordem decrescente.

Quando for enviar por e-mail, sempre anexe seu currículo no formato PDF.

8- Não informe pretensão salarial

Colocar a pretensão salarial pode assustar ou causar impressão errada ao empregador. Só informe esse dado se o anúncio da vaga explicitar essa necessidade. Fora isso, deixe que essa informação seja solicitada no momento oportuno pela empresa.

9- Experiência internacional é diferente de viagem internacional

Experiência internacional acontece a convite da empresa para uma reunião ou projeto fora do país de origem. Já a viagem internacional é aquela realizada por conta própria, para conhecer novas culturas e aprimorar o idioma.

10- Gentileza gera empatia

Seja sempre cordial ao enviar e responder e-mails, com aquele “bom dia”, “boa tarde” e “obrigado”.

Com o currículo concluído e revisado, é hora de fazer acontecer. Seguindo essas dicas, suas chances de conseguir um emprego aumentarão bastante. Mas, tenha em mente que, tão importante quanto ter um currículo bem feito é manter a resiliência e confiança. Siga em frente, acredite em você e conquiste seus objetivos.

Desemprego, fantasmas e bichos-papões

Quando o desemprego bate à porta, ele nunca vem sozinho, e sim acompanhado de monstros, fantasmas e bichos-papões. Para piorar, de nada adianta manter esta porta trancada com sete cadeados pois, quando este momento chegar, ela será arrombada e o morador obrigado a conviver com o visitante indesejado. E agora, o que fazer? Se esconder debaixo da cama seria uma opção, mas que não é lá muito inteligente já que o “hóspede” pode se sentir à vontade e querer ficar por um longo período. Como ninguém quer que ele permaneça, a solução é planejar uma estratégia para que, rapidamente, o desemprego vá embora junto com seus “amigos”, de preferência para nunca mais voltar.

Não, não é nada fácil encarar o desemprego, ainda mais neste momento em que muitas empresas fecharam suas portas, de maneira temporária ou definitiva. E não há como estimar por quanto tempo cada indivíduo demorará para conseguir a recolocação, já que há diversas variáveis nesta equação: a área, o nível de escolaridade e a capacidade de reação de cada um. No entanto, por experiência própria recomendo que, caso a demissão o assombre, respire fundo – se ficar triste que seja por alguns poucos minutos – e lute, parta para a ação.

Vou compartilhar alguns temas que lhe ajudarão a encarar este momento da melhor maneira, tendo por base minha experiência em empresas e como empreendedora na área de empregabilidade.

Será que não é o momento de buscar o autoconhecimento e descobrir quais são suas fortalezas e seus pontos a melhorar? Descubra – ou redescubra – o que realmente te faz feliz, o que te move para seguir em frente, afinal de contas, trabalhar cerca de dez horas por dia somente por um salário, não é produtivo. Você merece mais!

O momento pede calma, paciência e reflexão. Responda algumas questões tendo como conselheiros sua mente e seu coração: para onde quero ir realmente? Sou feliz com a profissão que escolhi? Será que é hora de mudar de profissão ou função?

Faça um replanejamento financeiro e reveja o orçamento familiar. Não se compare às outras pessoas e não fique remoendo os motivos que o colocaram nessa situação. O momento pede ação. Se colocar em uma situação de fragilidade, se achando o coitadinho, ou a coitadinha, de nada adiantará. Tenha em mente se tratar de uma fase passageira e que ela não reflete o seu caráter e a sua dignidade.

Analise o mercado de trabalho de forma diferente e esteja aberto ao novo. Entenda que muitas empresas buscam perfis que sejam dinâmicos e com perfil empreendedor. Considere outros tipos de contratação, como por exemplo: pessoa jurídica, contrato temporário, flex ou freelancer. Amplie seus horizontes e considere trabalhar em outra área. Não é aceitar qualquer coisa, ok?  Como disse o especialista em finanças pessoais Kevin Mulligan, “qualquer emprego é melhor do que nenhum emprego”. Pense nisso.

Crescemos escutando nossos pais, avós e tios falarem que precisamos estudar para conseguir um bom emprego. Pois bem, nessa pandemia muitos profissionais qualificados estão nessa busca todos os dias, o que torna o mercado muito mais concorrido. Para se destacar, você precisa ser diferente em algum requisito comportamental.

De maneira prática, comece atualizando seu currículo e o deixe atrativo aos olhos dos recrutadores. Seja objetivo e não se esqueça de algo fundamental: corrija todos os erros de português (se possível peça para alguém revisar para você). Faça cursos de forma gratuita, aproveite o tempo para desenvolver novas habilidades que poderão agregar mais valor ao seu currículo e aprofunde-se nos conhecimentos exigidos no cargo que você almeja ocupar. Faça conexões, sinalize seus amigos que você está disponível ao mercado de trabalho.

Existem muitas plataformas onde você pode buscar vagas e fazer aquele match com as empresas. Siga as empresas que estejam alinhadas aos seus valores pessoais e profissionais. Dedique pelo menos duas horas do seu dia para fazer uma busca em sites das agências de emprego e LinkedIn. Ao enviar o currículo, fique atento às formalidades, e seja gentil. Uma boa carta de apresentação também pode fazer toda a diferença.

Seguindo essas dicas, não tardará a surgirem convites para entrevistas. E agora, o que fazer? Treine, treine, mas treine muito, e busque saber detalhes sobre empresa e a vaga para qual está concorrendo. Tenha o discurso na ponta da língua e dê destaque às suas experiências profissionais (provavelmente lhe perguntarão sobre casos nos quais você se destacou em oportunidades anteriores).

Neste momento, muitas empresas estão optando por fazer entrevista online, portanto esteja preparado para isso. Teste a conexão da internet com pelo menos 15 minutos de antecedência e esteja vestido de maneira impecável, como se fosse uma entrevista presencial. Ah, os homens devem estar com a barba feita e as mulheres e com cabelos limpos e unhas bem cuidadas. Este conselho pode parecer bobo, mas as empresas analisam esse tipo de coisa, sim.  

Será que é hora de abrir um negócio?

Tenho uma historinha para te contar: você sabia que Walt Disney foi demitido do jornal onde trabalhava por não ser criativo o suficiente? Pois é, um tempo depois ele criou uma empresa de sonhos que é uma das mais bem-sucedidas e amadas do mundo.    

Não, não estou dizendo para você sair por aí de maneira atabalhoada abrindo uma empresa. Há de ser feito todo um plano estratégico para que você abra e, principalmente, consolide e tenha sucesso em seu novo negócio. E se você acha que ao empreender vai trabalhar menos, está enganado, já que esta empreitada requer muita, mas muita, dedicação. Para que as chances de tudo dar certo aumentem, você precisará buscar ferramentas que lhe auxiliem, como por exemplo, os serviços do Sebrae, que conta com cursos gratuitos e consultores para te ajudar neste desafio. Mas isso é assunto para um outro artigo, no qual me aprofundarei sobre o tema Empreendedorismo.

Para finalizar, um último recado: o mais importante neste momento é você estar preparado para as novas oportunidades. Acredite em você e tenha em mente que “tudo que nos aborrece a gente agradece, pois no final nos favorece”.